Aplicativos: equipe interna de desenvolvimento ou terceirizada?

Vamos começar com um fato: você está interessado em desenvolver um aplicativo. Outra observação é que provavelmente você também não sabe como tirar a ideia do papel. Contratar a própria equipe interna de desenvolvimento ou terceirizar todo o processo? Cada opção irá apresentar seus benefícios e malefícios que envolvem tempo de desenvolvimento e gastos. 

Agora o básico: o que é necessário para desenvolver um aplicativo? A partir daí que seguiremos a discussão de qual é a melhor opção de contratação. Meu objetivo não é orientar exatamente qual você deve escolher, e sim quais fatores você deve levar em consideração para entender qual proposta melhor se encaixa nas suas expectativas. Mas, calma, você vai sair desse texto esclarecido.

Se você já souber os requisitos básicos para o desenvolvimento de aplicativo, vá direto para o comparativo entre equipe interna de desenvolvimento ou terceirizada.

Ouça sobre o fluxo e a equipe por trás da criação de apps

O que os aplicativos precisam ter?

Os aplicativos possuem uma série de exigências até que possam finalmente estar no poder dos nossos dedos. Vale lembrar que todo app tem o seu dono, então existem informações que são restritas dos usuários. Por isso, todo aplicativo deve ter um painel administrativo, que geralmente é no formato web.

Quanto aos usuários, os aplicativos precisam ter versões para os diferentes sistemas operacionais, sendo os mais usados o Android e iOS. E para que tudo isso seja possível, todo software mobile também precisa de integração com bancos de dados ou hardwares, regras de negócio, design responsivo, código limpo entre outros requisitos.

Ao olhar para um aplicativo é difícil de imaginar todas as horas dedicadas ao desenvolvimento dele, as áreas de conhecimento e os profissionais envolvidos no processo. Ainda que a expressão “quero para ontem” esteja enraizada nos nossos hábitos, o desenvolvimento de um aplicativo demanda paciência e dedicação. Isto é, é impossível “sair para ontem”, de um dia para o outro.

Isso porque existem reuniões para definir o escopo do aplicativo, outras para definir os contrato, elaborar as telas, construir banco de dados, integrar as informações e outros pré-requisitos. Portanto, uma equipe de desenvolvimento de aplicativos precisa de:

Diretor de produto

O diretor de produto vai funcionar como um dono e representante do aplicativo. Dessa forma, ele será o responsável por definir as tecnologias do app, as funcionalidades que devem ser agregadas, as estratégias do app e outros. Por se tratar de cargo de alta qualificação, seu salário é compatível: varia entre 6 mil a 33 mil reais.

Gerente de projetos

O gestor de projetos será aquele que acompanhará todo o cronograma de desenvolvimento, sendo o responsável por designar tarefas para os desenvolvedores, acompanhar as tarefas e servir como suporte para o desenvolvimento. Dentro da metodologia scrum, o gestor de projetos é aquele que se reunirá diariamente com os membros da equipe de desenvolvimento para avaliar os processos e atender as solicitações deles. O salário médio deste profissional é de 11 mil reais.

Designer UI/UX

Toda a parte visual e de interface do aplicativo fica a cargo do designer UI/UX. No entanto, não é qualquer profissional de design que pode desempenhar a função, pois o pré-requisito básico é compreender sobre a experiência do usuário, pois todas as telas dos aplicativos serão planejadas da forma que melhor se apresente ao usuário, fazendo com que todas as interações sejam intuitivas e fáceis de utilizar. Para a profissão, o salário gira em torno de 4,3 mil reais.

Engenheiro mobile

Todas as soluções de software, estratégias voltadas para a qualidade do desenvolvimento é com o engenheiro mobile. Geralmente, o conhecimento em múltiplas áreas de desenvolvimento é o que permite agilidade e perspicácia para que todas as tarefas sejam desempenhadas com eficiência. Ou seja, entender e executar com excelência as linguagens de programação para cada sistema operacional. A remuneração do engenheiro mobile é entre 7 a 8 mil reais.

Desenvolvedor Front-end

Lembra do que o designer faz? Pois bem. Tudo que o designer produz é estático, logo, o responsável por colocar vida nas interações é o desenvolvedor front-end. Tudo que o usuário pode fazer na interface do aplicativo é a partir do front: clicar no botão e ele “afundar”; arrastar o dedo pro lado para trocar de tela; arrastar o dedo de baixo para cima para abrir o painel de notificações; etc. O salário médio desse profissional é de 3,8 mil reais.

Desenvolvedor Back-end

Se você pensou “já que o ‘front’ é a frente, o ‘back’ está por trás”, seu pensamento está correto. Mas o que isso quer dizer afinal? Cada interação significa um comando dado ao celular para que ele execute uma função, correto? O desenvolvedor back-end é quem irá manejar o banco de dados e integrar a comunicação do front com as informações armazenadas. Ou seja, esses profissionais também criam as APIs. Além disso, o back-end fica imcubido de implementar as regras de negócio do aplicativo. A remuneração desse profissional varia de 2 a 9 mil reais, tendo uma média de 4,1 mil reais.

Desenvolvedor Android e iOS

Em suma, o desenvolvimento android e iOS aplica as regras de negócio desenvolvidas no back-end nos códigos específicos do sistema operacional. Tanto o Android quanto o iOS possuem suas linguagens de programação próprias, o que exige conhecimento específico para fazer com que o aplicativo rode em diferentes celulares com as várias versões de cada sistema operacional e de tamanhos de telas.

Dessa forma, o desenvolvedor Android precisa entender de Java e Kotlin, enquanto que o desenvolvedor iOS deve entender de Swift. O salário médio de cada um é de 4,4 mil e 5 mil reais, respectivamente.

Analista de qualidade

A caçada pelos bugs para avaliar a execução plena do aplicativo fica por conta do analista de qualidade. Ele deverá fazer um raio-x nos aplicativos e detectar possíveis falhas que possam comprometer a usabilidade do app e a qualidade dele. Para facilitar, entenda-o como um revisor de textos, procurando por erros de pontuação, concordância, coerência e relevância do conteúdo. Seu salário médio é de 3,1 mil reais, podendo chegar até 6 mil reais.

Infográfico com todos os profissionais necessários para o desenvolvimento de um aplicativo e suas respectivas funções.

Como contratar desenvolvedores de aplicativos?

Agora que você sabe quais os profissionais necessários para o desenvolvimento de aplicativos, suas responsabilidades e seus salários, fica mais fácil escolher os currículos mais adequados e como guiar a entrevista de emprego. Ou ainda, essa base de conhecimento também pode te levar a considerar a terceirização de TI. Então, para facilitar essa tomada de decisão, vamos conhecer as vantagens e desvantagens de cada tipo de contratação.

Vantagens de contratar uma equipe interna de desenvolvimento de aplicativo

Ter o próprio departamento de TI traz duas facilidades interessantes. A primeira está voltada para a comunicação, a qual a equipe de desenvolvimento terá fácil acesso aos demais membros da empresa e vice-versa, o que pode servir de suporte para tirar dúvidas específicas acerca do app. Além disso, é mais fácil para as altas hierarquias acompanharem cada etapa de desenvolvimento.

A segunda é ligada ao fit cultural dos colaboradores. Como a contratação será realizada junto do RH, todos os desenvolvedores contratados terão passado pelo crivo cultural para fazer parte da equipe. Isso é interessante para o engajamento na missão da empresa.

Desvantagens de uma equipe interna de desenvolvimento de aplicativo 

Como visto anteriormente, a equipe de desenvolvimento requer no mínimo 8 profissionais de diferentes funções para que um aplicativo chegue às lojas de aplicativos. Tomando como base os salários médios de cada um, a contratação de uma equipe interna de desenvolvimento nativo sai por 42 mil reais, ou até mais caro.

Vale a pena considerar que apenas um de cada setor pode atrasar os prazos de entrega, o que pode ser necessário contratar mais profissionais, elevando ainda mais os custos.

Vantagens de terceirizar o desenvolvimento de aplicativo

Diferente da contratação da equipe interna de desenvolvimento, o outsourcing de desenvolvimento implica que o valor investido será numa equipe toda e num serviço e não valores individuais para cada pessoa — exceto no caso de outstaffing. Ou seja, o valor investido dificilmente sofrerá alterações, principalmente no tipo de contrato white label. Portanto, terceirizar o desenvolvimento de aplicativo sai muito mais em conta.

E só porque são pessoas externas à sua empresa não quer dizer que o grau de eficiência é menor. Inclusive, uma empresa que já está acostumada com a entrega de softwares diversos coleciona know-how amplo por lidar com diferentes propostas de apps e todo tipo de desenvolvimento. Aliás, a terceirização de desenvolvimento possibilita contratar talentos de quaisquer localizações, isto é, onshore e offshore, abrindo um leque para ainda mais oportunidades e vantagens.

Ademais, dificilmente contratamos serviços ou pessoas que são incompatíveis com as nossas propostas e ideais. Logo, o fit cultural pode não ser um problema.

Existem ainda outras vantagens do outsourcing de aplicativos de encher os olhos.

Desvantagens de terceirizar o desenvolvimento de aplicativo

Uma das vantagens da equipe interna de desenvolvimento era a comunicação centralizada, correto? Logo, o contrário é a desvantagem do outsourcing de aplicativos. Isso não quer dizer que nada será comunicado, pois é importante que exista um canal de comunicação eficiente. Até porque, assim como na equipe interna de desenvolvimento, existe a possibilidade dos times desconhecerem informações específicas e precisar consultar outros membros da empresa também.

No caso de desenvolvimento terceirizado, não há a necessidade de acompanhamento cotidiano de tudo que acontece. O que, na verdade, não se trata de uma desvantagem, visto que terceirizar o desenvolvimento de aplicativos ajuda a ter foco no core business.No entanto, é importante escolher uma empresa que garanta o sigilo das informações, pois será necessário compartilhar dados para que as etapas prossigam, representando um possível risco de vazamento. Dessa forma, a proteção de dados deve estar garantida e assegurada no contrato.

Equipe interna de desenvolvimento ou outsourcing: qual é melhor?

Essa é uma pergunta que somente você pode responder, pois a melhor opção vai variar de caso a caso. Budgets limitados, cronogramas, tamanho do projeto, falta de equipamentos e licenças de softwares, dentre outros, podem ser fatores decisivos na hora de fazer a escolha. 

Portanto, avalie bem o seu cenário, o plano de negócios, escopo do aplicativo e o seu orçamento. Como existem diferentes escopos de aplicativos, recomendo conhecer mais sobre cada um e os tipos de contratos de terceirizadas. Assim será mais fácil optar ou pela equipe interna de desenvolvimento ou terceirizada.

Aproveite também e conheça empresas que fazem outsourcing de aplicativos. Levante suas opções e coloque na balança o que é mais vantajoso.


  • Taysa Bocard
  • Analista de marketing
  • O interesse pela tecnologia e desejo por conhecimentos variados sempre fizeram parte de mim, isso desde a infância. Esse desejo pueril refletiu no meu cotidiano: sou jornalista engajada nas "techs". Porém, a busca pelos saberes não é a parte mais gratificante da minha atuação. Na verdade, o que mais me empolga é passar as informações para frente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Espere! Que tal assinar a nossa newsletter

Conteúdos exclusivos, dicas e eBooks diretamente no seu e-mail.