Como usar as redes sociais para os aplicativos?

Como já fiz em alguns artigos por aqui, vamos começar por um fato: as pessoas possuem presença digital. As redes sociais surgiram por uma necessidade nossa de comunicar. Afinal, não é uma novidade para ninguém que somos seres sociais. Assim, quanto mais canais de comunicação, melhor. Mas existe um ponto curioso nessa história toda: existem pessoas que preferem conversar online do que fazer uma ligação ou lidar com uma situação presencialmente.

Podemos confirmar isso com a categoria Uber Comfort, cujos passageiros introvertidos ou tímidos podem sinalizar que não querem contato. Mas isso não é de todo mal, porque se há uma preferência pela comunicação online, isso é mais vantagem do que desvantagem. Primeiro porque muita gente está conectada; segundo porque acessar esse pessoal todo é muito mais fácil online do que offline. Por isso, os aplicativos devem usar as redes sociais para se aproximarem dos seus públicos e vou te dizer como. Confere aí.

Você verá:

1- Fortaleça seu branding

Elaborar o plano de negócios e as estratégias do seu aplicativo exige algumas pesquisas que irão responder como os problemas que seu app irá resolver, certo? Lá também que vai ser definido quais as pessoas você deseja atingir. Esse planejamento é essencial para o branding. De origem da língua inglesa, “branding” significa marca. Logo, as técnicas do segmento são voltadas para o fortalecimento da marca, que nesse caso é o seu próprio aplicativo. Branding é sobre personalidade da marca e ela deve ser feita com base nos seus usuários reais.

Isso é importante para gerar uma relação pessoal, pois nos relacionamos apenas com quem confiamos e mostrar essa proximidade pode ser crucial para atrair os usuários, novos ou os atuais. O grande objetivo aqui é colocar seu aplicativo no coração deles.

Vamos aos exemplos: quando vamos nos referir à “palha de aço”, automaticamente falamos “Bombril”; ou ainda, substituímos o “amido de milho” por “Maizena”. Essa automação que fazemos significa que as duas marcas conquistaram um espaço na nossa memória, o que é extremamente valioso. Assim, pense maneiras de fazer o mesmo com o seu aplicativo. Pode ser com um slogan, propagandas, experiências, benefícios, compreender a dor do usuário e muitas outras formas.

Portanto, defina o propósito da sua marca, os valores dela e sua personalidade, a identidade visual, a tipografia, o tom de voz que melhor define quem é sua marca e outros quesitos. No entanto, faça escolhas conscientes, pois elas precisam fazer sentido para os seus usuários. 

Só não se esqueça de: fique na memória e coração das pessoas, mas de forma positiva. Você não vai querer que lembrem do seu app como algo ruim, assim como a marca CCE, também chamada por alguns usuários de “Conserta, conserta, estraga”.

2- Entenda seus usuários

Tudo o que seu aplicativo é deve ser pautado com base no seu público-alvo. Ou melhor, nas suas personas. De forma simplificada, o público-alvo te oferece informações genéricas sobre seus usuários, enquanto que a persona vai deixar bem melhor definido quem é seu usuário de verdade. 

Ao invés de dizer “sei que estou me comunicando com pessoas entre 19 e 30 anos”, você irá dizer “estou me comunicando com Fulana, de 25 anos, empreendedora no ramo da tecnologia e que gosta de conhecer diferentes cardápios”. Para um aplicativo delivery, não me restam dúvidas de que a segunda opção, a persona, vai ser muito mais fácil de elaborar um plano de comunicação e estratégias para o aplicativo.

Mas o que isso tem a ver com presença digital e redes sociais para aplicativos? Tudo. Se a Fulana é crânio em tecnologia, nada melhor do que desfrutar da linguagem tecnológica para melhor se comunicar com ela. Conhecer verdadeiramente seus usuários é aproximar o seu aplicativo para que vocês se comuniquem de igual para igual. Isso tem tudo a ver com abordagem da sua marca, ou seja branding.

Então, produza conteúdo nas redes sociais que gere engajamento das suas personas. Entenda o que elas pesquisam na internet, áreas de interesse e conhecimento, suas experiências, formas de entretenimento. Enfim, tudo aquilo que for agregar para construir conteúdos que cheguem até seus usuários — e que os deixem interessados em você. Seja esse interesse em curtir e responder os conteúdos ou em fazer download do seu app. Portanto, novos usuários podem surgir a partir dessa presença nas redes sociais.

Para saber melhor como construir a persona do seu aplicativo, confira o conteúdo abaixo:

Recomendo também acompanhar as redes sociais da Netflix como exemplo de inspiração!

3- Entenda as redes sociais

Tão importante quanto saber se comunicar com os usuários, é também saber exatamente como funciona cada rede social e quais conteúdos são os mais adequados para elas. Vale a pena ressaltar também que cada pessoa prefere estar numa rede social diferente. Logo, sua missão é saber onde seus usuários habitam no mundo online e depois saber como produzir conteúdo de qualidade para cada uma dessas ferramentas.

O Twitter é a plataforma escolhida para reclamar da vida e publicar informações pessoais; enquanto que o Instagram é mais voltado para as rotinas e expor os melhores momentos do dia e da vida. Já o LinkedIn existe como ferramenta de criação de networking e troca de experiências profissionais.

Viu? Cada rede social tem um propósito diferente, assim como o seu aplicativo (lembra da nossa conversa sobre branding? Então).

4- Use ferramentas de automação

Você pode também se debruçar em ferramentas que possam acelerar e automatizar os conteúdos para seus usuários. A criação de todas as peças imagéticas a serem publicadas nas redes sociais dos aplicativos, além dos textos (quando convier) já são trabalhosos. Pra que deixar ainda mais trabalhoso se você pode automatizar a publicação dos conteúdos?

5- Desfrute das notificações push

Vamos considerar também que alguns conteúdos produzidos podem vir dentro do seu próprio aplicativo. E não há maneira melhor de chamar os usuários a abrir o app do que as notificações push. Esse é um recurso dos aplicativos de alto potencial de comunicação, pois elas recebem 7x mais cliques que um e-mail recém-chegado na caixa de entrada do usuário.

Você pode ver mais dados como esse no artigo a seguir:

As notificações push podem ser potencializadas com o uso da geolocalização, dando um boost no marketing do seu aplicativo

6- Crie experiências engajadoras

Tudo que está ao nosso redor e que fazemos são experiências: estar escrevendo este artigo em regime de home office é uma experiência; redigir um conteúdo bacana e que me deixe entusiasmada é outra; estar próxima do horário de almoço e receber um cupom de descontos em pedidos delivery é uma outra ainda.

Acabei de descrever para você um pouco de como estou me sentindo agora. O horário escolhido para receber um cupom de descontos não foi à toa, isso porque o aplicativo de delivery conhece os horários que os usuários costumam se alimentar. Portanto, todas as vezes que eu sentir vontade de pedir alguma comida, muito provavelmente vou lembrar desse aplicativo porque ele me trouxe essa experiência de “uau, era isso que eu precisava” quando recebi o cupom.

Viu só como é poderoso conhecer os usuários e como usar bem as notificações push? Além das notificações, outras experiências podem ser oferecidas por você. E já que estamos falando de redes sociais para aplicativos, vamos aos exemplos:

Sorteios

Vamos começar por mais um fato: gostamos de nos sentir recompensados. Por isso que os sorteios dão tão certo, porque queremos ganhar algo que possa nos beneficiar. Esse é um exemplo e tanto de uma boa experiência. Se seu aplicativo possui compras dentro dele, o sorteio pode ser acesso gratuito de algum recurso, entre outras opções que vai depender do que você e seu aplicativo podem oferecer.

Posicionamento

Na nossa conversa de branding, falamos sobre a personalidade do seu aplicativo e os valores dela, certo? As redes sociais serão excelentes também para trazer o posicionamento da sua marca, expondo os valores dela. Sentir que uma marca defende e compartilha os mesmos valores é mais um ponto para a criação de boas experiências e aumentar o engajamento.

Publicação da Uber no Instagram com os dizeres "acha que pode fazer piada sobre cor de pele? A Uber não é pra você".

Entretenimento

Grande parte do tempo nas redes sociais são usados para entretenimento, então porque não fazer parte dessa rede de entretenimento? Aposto que a maior parte dos likes e retweets desse post da Netflix surgiram porque o conteúdo arrancou uma boa risada — além da satisfação de ver uma série disponível no catálogo.

Informação

Existem muitas informações que giram em torno do seu app, desde as internas até as externas. Então, as redes sociais servirão para comunicar todas e quaisquer informações que você achar conveniente.

Atendimento rápido

Uma das coisas que mais nos irritam na internet é quando algo demora para carregar. Ou seja, costumamos ser impacientes no online e gostamos de usar as ferramentas digitais para ter soluções rápidas (afinal, o sucesso dos apps de bancos não é à toa). Por isso, ter presença digital nas redes sociais é excelente para usá-las para o atendimento.

Mercado Livre respondendo comentário de usuário do Facebook, dizendo "Kleber, vamos te ajudar! Solicitas que acesse o site. Você conseguirá ver o motivo pelo qual foi suspenso e terá a opção de entrar em contato com a equipe especializada".

Guias

É normal termos algumas sobre os aplicativos e o que vemos online por aí. Não é à toa que os FAQs são páginas populares e comuns de serem produzidas. Logo, as redes sociais também servirão como guias para seus usuários.

Publicação da Nubank no facebook com 5 dicas para não cair em golpes sobre o Coronavírus.

7- Análise de KPIs

Seguir todos esses passos sem propósito não adiantará de nada. Por isso, tenha sempre um motivo motor e formas de analisar a performance da sua presença digital nas redes sociais. Avalie, portanto, o volume de interações dos seus usuários, quantos novos downloads surgiram a partir da publicação de um determinado post ou ação, etc.

Em suma, estabeleça KPIs, ou chaves indicadoras de performance. Para saber se um conteúdo guia foi bom e útil, avalie os sentimentos dos comentários dos usuários, o volume de curtidas e compartilhamentos. Se ele foi pouco compartilhado e teve comentários negativos, está na hora de repensar esse conteúdo e atualizá-lo da maneira que melhor atenda o público. Provavelmente este será um sinal de que ainda existem estudos a serem feitos sobre a persona, como melhor agradá-la e comunicar nas redes sociais.

Conclusão

O uso das redes sociais para aplicativos traz benefícios poderosos, como a aquisição de forma paga ou orgânica de novos usuários; a consolidação da sua marca no coração dos usuários da internet; comunicação efetiva e veloz com seus usuários; geração de dados para analytics; avaliação da performance da marca e do aplicativo; entre outros.

Todas as dicas que trouxe fazem parte do marketing de relacionamento. Isto é, o segredo das redes sociais para aplicativos está no desenvolvimento de boas relações com seus usuários, oferecendo boas experiências e comunicação eficiente com eles.

Quer saber como aumentar ainda mais o engajamento dos seus usuários? Confira este artigo!


  • Taysa Bocard
  • Analista de marketing
  • O interesse pela tecnologia e desejo por conhecimentos variados sempre fizeram parte de mim, isso desde a infância. Esse desejo pueril refletiu no meu cotidiano: sou jornalista engajada nas "techs". Porém, a busca pelos saberes não é a parte mais gratificante da minha atuação. Na verdade, o que mais me empolga é passar as informações para frente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *