5 lições de empreendedorismo que a Amazon pode nos ensinar

A Amazon, no ano de 2019, se tornou a empresa mais valiosa do mundo, ultrapassando marcas como Apple, Google e Microsoft. A empresa e o seu fundador, Jeff Bezos, são objetos de estudo há algum tempo.

Diversos aprendizados podem ser tirados com a observação da empresa que começou como uma livraria virtual em meados da década de 90.

Nesse post, vamos listar as principais lições que esse negócio de extremo sucesso aplicou em seu desenvolvimento.

1- O plano de negócios é a parte mais importante para o futuro de uma empresa.

Não deve ser novidade para a maioria de vocês como um plano de negócios e um MVP bem feito é fundamental para o nascimento e desenvolvimento de qualquer negócio. Com a Amazon não foi diferente. 

A escolha pela venda de livros, entre outras possibilidades existentes, era perfeita para uma empresa embrionária, com pouco capital para ser investido e que tinha como sua idéia fundamental ser uma “loja de tudo”. Livros eram baratos e possuíam um amplo catálogo, atendendo aos mais variados gostos. Entretanto, seu fundador, desde o início, mostrava que queria ir além, antecipando que passaria a oferecer CDs, DVDs e outros produtos populares àquela época. 

Outro ponto importante no plano de negócio foi o desenvolvimento de diversas parcerias com distribuidores atacadistas e isto fazia com que a empresa tivesse um estoque ilimitado. Dessa forma, eles cumpriam a promessa de entregar qualquer livro, a qualquer leitor e em qualquer lugar.

O grande diferencial inicial da Amazon foi vender serviços disfarçados de produtos. Sua margem de lucro direta nos produtos era relativamente pequena, conseguindo destaque nos preços frente suas concorrentes. Isto, somado à inovação das compras 100% online e com rápido prazo de entrega, fizeram com que a empresa conseguisse o destaque necessário para crescer.

2- Enxergar o potencial das novas tendências tecnológicas

Bezos tinha consciência do quão jovem, imatura e promissora era a internet naquela época. Percebendo isso, ele resolveu abrir o seu negócio de uma forma diferente de quase tudo que existia, usando a internet para conectar os seus produtos com os clientes sem necessidades de lojas físicas.

Novas tecnologias estão a todo momento transformando as formas de produção, consumo e de interação social. Saber enxergá-las como ferramentas de dinamização dos processos é fundamental. Jeff disse uma frase que resumia o fato de como era fácil se sobressair na internet naquele momento: “para ser nove vezes maior que seu concorrente mais próximo, você só precisa ser 10% melhor”.

Hoje a Amazon é referência no que se diz respeito ao uso das tendências tecnológicas para fomentar a inovação, seja para a produção de novos produtos quanto para adaptar e melhorar seus serviços. Podemos citar como exemplo a criação do Kindle, a assistente virtual e até mesmo lojas físicas que não necessitam de funcionários.

3- A importância de sistemas de avaliação

Assim que o site da Amazon entrou em funcionamento em 1995, foi implementado um sistema de avaliação de livros através de comentários dos usuários. Hoje isso é prática comum para boa parte dos negócios, porém, naquela época Bezos foi tratado como maluco por permitir que as pessoas expusessem críticas na página da sua livraria, algo que não seria bom para as vendas.

Entretanto, Isso foi fundamental para o crescimento das vendas da empresa. Ele parecia saber que no longo prazo isso geraria um valor de credibilidade e confiabilidade, sendo que em pouco tempo a livraria on-line tornou-se a principal fonte de novas publicações para milhares de leitores.

As vantagens em colher opinião dos seus clientes são gigantescas. Essas avaliações fazem com que você perceba as falhas no seu negócio e busque resolvê-las o mais rápido possível. Ou seja, descubra quais são as necessidades dos seus clientes, as soluções que seu negócio não apresenta e destaque os seus pontos fortes para que eles possam ser melhorados e se transformarem no seu diferencial.

Veja também: Experiência do usuário em aplicativos. Como melhorá-la?

4- Defina bem como será o seu crescimento

Toda empresa, seja do que for, sempre buscará menos custos, mais receita e consequentemente mais lucros, certo? Não, não é bem assim! 

Nos primeiros 5 anos da Amazon, a empresa operava no vermelho e isto foi fundamental para que ela se tornasse o que é hoje. Bezos sabia que esse crescimento aconteceria, tendo definido isso desde o plano de negócios inicial, apostando num crescimento lento que se mostrou a escolha certa.

Em uma entrevista, ele disse que ser lucrativo era a coisa mais fácil e ao mesmo tempo a mais estúpida, durante os primeiros anos do seu negócio. A ideia era simplesmente reinvestir todo o dinheiro pensando no futuro e isso fez com que muitos investidores da época não acreditassem no potencial da empresa, dizendo até que ela estava fundamentalmente quebrada e que nunca daria lucros.

Bom, a história depois disso todos já sabemos, não é mesmo!? Jeff e a Amazon, mais uma vez, estavam certos e hoje servem de inspiração e modelo para diversos empreendimentos.

5- Esteja sempre se adaptando

Mesmo diante de um cenário extremamente favorável, Bezos percebeu que o nível do crescimento do e-commerce tendia a se estabilizar. Perante uma perspectiva de menor progresso, o empresário decidiu iniciar um processo de diversificação dos investimentos.

No início, a criação de um marketplace que conectaria o fluxo do seu site a outros parceiros varejistas, oferecendo o funil de vendas e vantagens competitivas, foi fundamental para que a empresa dominasse o setor varejista. 

Saiba mais: O que é marketplace e qual a diferença para um e-commerce

De lá para cá, vários produtos e serviços foram desenvolvidos e diversas empresas foram compradas pensando no crescimento do negócio. Vejamos alguns deles:

  • A Amazon é responsável por serviços de armazenamento em nuvens de dados de empresas como Samsung, McDonald’s, Dow Jones, Siemens, entre outras; 
  • Desenvolveu a Alexa, uma assistente virtual que concorre com as principais do mercado; 
  • Criou sua própria plataforma de streaming, sendo uma das maiores criadoras de entretenimento, produzindo séries originais. 
  • Comprou direitos de transmissão de esportes ao vivo como a Premier League e torneios ATP de tênis;
  • Comprou a Whole Foods Market, uma companhia de varejo de alimentos.

Com os exemplos acima, pode até parecer que essa diversificação é exclusiva para quem já é gigante e pode sair investindo no desenvolvimento e aplicação novas tecnologias, comprando tudo e todos. Entretanto, não é disso que se trata.

Os pontos são: aposte na transformação digital; não foque em um único produto ou serviço; pense em formas de melhorar a experiência e o engajamento dos seus clientes e busque alternativas de aumentar suas receitas. Imagine se Bezos estivesse satisfeito com os primeiros anos da Amazon e resolvesse ser lucrativo naquele momento? Com certeza ela não se transformaria no que é hoje e talvez nem mesmo existisse.

E você? Acha que algumas dessas lições podem ajudar no seu negócio? Ou acha que faltou alguma dica por trás da história dessa empresa fantástica?

Deixe aqui nos comentários sua opinião!


  • Luiz Felipe S. Dantas
  • Copywriter
  • Baiano de Eunápolis, graduando em Economia, apaixonado por música, esportes e dota 2. Sou um admirador da capacidade das boas ideias, somadas a tecnologias inovadoras, solucionarem problemas e otimizar nossa realidade. Ser parte do time de marketing da Usemobile, me proporciona um estudo direto desses assuntos e um maior contato com o mundo das inovações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *