Google mobile-first Indexing: Prepare seu site para 2019

Não é nenhuma novidade que o SEO foi criado para ajudar as pessoas a encontrarem respostas de maneira mais efetiva. Por isso, é muito comum ver a Google falar sobre o que ela recomenda e o que não. Chamada de Mobile-First Indexing, essa atualização muda a maneira em que o sites e páginas serão indexados no Google. A prioridade mudou de desktop para dispositivos móveis. E…

A culpa não é das estrelas, é dos smartphones

O uso de smartphones para pesquisas online já ultrapassou o de desktops, como confirmado nesta pesquisa. Mas não precisamos de 30 gráficos para saber disso, basta olhar a nossa volta. Quando uma dúvida surge seja em casa, numa mesa de bar ou mesmo no trabalho retiramos nossos celulares do bolso e rapidamente fazemos uma pesquisa.

Ao implementar essa nova política de indexação a Google está tentando melhorar a experiência do usuário, de acordo com os cenários em mudança. No entanto, o anúncio gerou muitas dúvidas e confusão entre os proprietários de sites.

Neste artigo, você esclarecerá a maioria das suas dúvidas sobre o Mobile-First indexing em 2019. Nós abordaremos as seguintes perguntas:

  • O que é o Google Mobile-First Indexing?
  • Como funciona o Google Mobile-First Indexing?
  • O que o você precisa se preocupar? E o que não?
  • Como melhorar o rankeamento com o MFI?

O que é Google Mobile-First Indexing?

Em 2016, o Google anunciou que tinha planos de mudar seu algoritmo para rastrear as versões de sites para dispositivos móveis. Na verdade, na maioria dos casos, eles nem sequer olham para a versão desktop do seu site.

Se o seu site para dispositivos móveis não estiver de acordo com os padrões deles, você poderá estar em apuros porque o Google já começou a implementar isso para alguns usuários e planeja adicionar mais até que todos tenham migrado.

Como funciona o Google Mobile-First Indexing?

Existem basicamente quatro partes do algoritmo de rankeamento, são eles:

  • Crawling – Os “robôs” (bots) do Google, chamados de crawlers (rastreadores), rastreiam em diferentes páginas da web, seguindo de link em link, para dessa forma descobrir novas páginas.
  • Indexing – O indexamento é como se o Google guardasse as páginas em um banco de dados. Mas, isso não significa que o Google indexa todas as páginas encontradas pelos crawlers.
  • Retrieval – Basicamente, retrieval (ou, recuperação em português) é quando alguém faz uma pesquisa. Então o Google examina seu banco de dados (páginas indexadas) e encontra tudo relacionado à consulta de pesquisa.
  • Ranking – Já na hora de rankear seu site, o algoritmo Google analisa mais de 200 fatores para determinar sua posição na pesquisa.

Então como podemos ver acima, primeiro seu site é indexado, só depois ele pode ser recuperado em uma pesquisa. Embora, ele ainda rastreie os sites para dispositivos mobile e verifique outros fatores, como a compatibilidade com certos dispositivos e a velocidade do site, sua indexação foi baseada em versões de sites para desktop.

Depois de fazer experimentos cuidadosamente por cerca de um ano e meio, o Google finalmente começou a migrar sites que seguem as práticas recomendadas para o Mobile First Index desde o início de 2018.

O que preciso me preocupar? E o que não?

A primeira coisa que você precisa saber sobre as alterações do Google MFI é que não há motivos para entrar em pânico. De acordo com as próprias diretrizes do Google sobre o Mobile-First Indexing, se você possui um website responsivo ou se as versões de desktop e para dispositivos móveis do seu site forem idênticas, não será necessário fazer nada.

Se você deseja saber como lidar com o Mobile-first indexing abaixo algumas dicas segundo o Google:

  • Site Desktop – Se você tiver apenas a versão para Desktop do seu site…. Você não precisa fazer nada, pois a versão para dispositivos móveis será gerada igual a versão para PC.
  • Site Web Responsivo – Se você possui um site responsivo…. Você não precisa fazer nada, já que a versão para computador será a mesma para mobile.
  • AMP Se as páginas do seu website forem criadas usando AMP, a versão para dispositivos móveis será igual à versão para desktop, logo, não é necessário fazer nada.
  • URLs separadas – Se cada URL da versão para desktop for diferente na versão usada para veicular conteúdo otimizado para celular, o Google preferirá o URL para mobile. Então, prepare seu website para o MFI. Tente fazer sua versão para celular e desktop idênticos para assim obter o benefício máximo. Esses tipos de sites são conhecidos como websites m-dot. Funciona como se a versão para computador de um website pudesse ser acessada em http://example.com/, enquanto a versão para celular seria acessível em http://m.example.com/.

3 mitos sobre o Mobile-First indexing

Primeiro mito – Mobile-first indexing irá impactar diretamente o rankeamento

Em vez disso, a prioridade do Google é garantir que a transição seja o mais simples possível e que seus rankings não sejam afetados negativamente.

Segundo mito – Mobile-First Indexing é a mesma coisa de mobile friendly

Não se confunda, recentemente, em um post do Search Engine Jornal, foi confirmado que esses dois itens são completamente distintos. Ter um site mobile friendly ainda é importante, pois, é um fator que conta para o rankeamento, mas é algo totalmente diferente do MFI.

Muitos sites que não são compatíveis com dispositivos móveis foram indexados no MFI. Assim, se você foi transferido, não pense que isso significa que você é otimizado para celular.

Não tem certeza se seu site é otimizado para celular? Você pode usar o Mobile Friendly Tester do Google.

Terceiro mito – Manter seu site em baixa qualidade é uma estratégia inteligente para ajudar você a evitar a transição.

De fato, em um mundo de rápida progressão e alta competição, não faz sentido proibir seu crescimento – isso é algo com o qual o Google concorda.

Como melhorar seu rankeamento com Google Mobile-First Indexing?

Agora que nos familiarizamos com os planos do Google. Chegou a hora de você começar a tomar as medidas necessárias para se manter em paralelo com a agenda do Google.

Então, dê uma olhada nos seguintes pontos e faça um site que lhe dê um bom rankeamento orgânico.

#1 – Prepare sua mente para o SEO do mobile-first index

O tempo para “você precisa” tornou-se “você tem que” agora. Se você continuar trabalhando com a versão para desktop, isso pode tirá-lo diretamente do jogo. Tanto o mobile friendly como o MFI entrarão em ação. Nesse cenário, você não quer lutar com armas antigas. Portanto, você precisa restabelecer toda a estratégia do site, mantendo todas as diretrizes em mente.

#2 – Organize a estrutura do seu conteúdo para os dispositivos mobile

Pensar mobile-friendly e realmente ser um são duas coisas diferentes. Muitos sites esquecem de trabalhar na estrutura do conteúdo, o que resulta em dificuldades para os visitantes que usam smartphones para acessar os sites.

Com mais pesquisas sendo realizadas a cada dia nos smartphones, torna-se lógico preparar o conteúdo mantendo os dispositivos móveis em mente. Assim, você pode trabalhar nas estratégias a seguir para estruturar seu conteúdo para dispositivos móveis.

A. Acesso ao conteúdo

A primeira coisa que você precisa trabalhar, no conteúdo, é sua acessibilidade. Tenha certeza que todo o conteúdo feito para desktop está disponível para versão mobile. Você pode reestruturar o conteúdo, ou prover links junto com uma pequena porção de conteúdo. Mas não remova o conteúdo apenas por não se adequar às telas. Ocultar o conteúdo não é a solução correta.

B. Variedade do conteúdo

Independentemente do negócio rege, o conteúdo deve ser capaz de envolvê-los. Uma variedade de conteúdo interessante de áudio, vídeo e escrito pode ajudá-lo a manter o tráfego alto.

C. Legibilidade

A próxima coisa a se concentrar seria a legibilidade do conteúdo. Agora, você deve seguir vários formatos padrão, como cabeçalhos, subtítulos, marcadores, para fornecer conteúdo altamente legível na versão para desktop.

Mas, a mudança do conteúdo para o celular requer reestruturação. Você não pode usar os parágrafos grandes, pois isso pode tornar o conteúdo ilegível para os leitores. Os pequenos parágrafos e pontos bem divididos podem ajudá-lo a ler facilmente conteúdos longos e abrangentes.

#3 – Trabalhe com um design responsivo

A estratégia mais importante que você precisa para trabalhar no design do site. A navegação, ícones, apelo à ação e todos os outros aspectos devem ser ajustados para vários dispositivos.

Um site responsivo combina com os tamanhos dos dispositivos sem comprometer a experiência do usuário. Assim, um design responsivo oferece uma experiência de qualidade para usuários de dispositivos móveis e para computadores.

Aqui estão alguns fatores para se concentrar, a fim de garantir a capacidade de resposta móvel do site.

A. Imagens compactadas

Ter fotos bonitas ajuda no engajamento dos visitantes. Entretanto, a alta-resolução vai aumentar o tempo de carregamento do site na versão mobile. E os usuários que pesquisam em dispositivos móveis não esperam mais de 3 a 5 segundos se não carregarem. Portanto, certifique-se de compactar as imagens o suficiente para manter a qualidade e o tempo de carregamento bem equilibrados.

B. Otimizar o ícones touch

Seu site mobile não deve dificultar o toque dos ícones. O visitante deve poder clicar nos ícones convenientemente. Para isso, você precisa otimizar os ícones nas telas pequenas e garantir que o tamanho dos ícones seja grande o suficiente para o toque do dedo.

C. Layout flexível

Para atingir o objetivo do design responsivo do site, você precisa se concentrar na flexibilidade do layout. Assim, o layout do site deve ser capaz de caber em todos os tamanhos de telas. Um design responsivo complementa os smartphones, tablets e telas de desktop. Na verdade, seria sensato começar a projetar mantendo as telas pequenas em mente. Dessa forma, você pode manter os elementos adequados para todos os tamanhos de tela.

Palavras finais

Você não precisa se preocupar com o Mobile-first Index. Pelo contrário, ele está oferecendo uma ótima oportunidade para aumentar suas taxas de visibilidade e conversão ao aumentar o rankeamento de pesquisa em dispositivos móveis.

Então, pense como o Google e comece a transformar sua plataforma digital em direção ao celular “sistematicamente”.


  • Vitor R. Galante
  • Analista de Inteligência Comercial e Marketing.
  • Viciado em novas tecnologias, adoro e me entusiasmo com novidades. Escrever artigos sobre os mais diversos temas tecnológicos me traz paz de espirito. Morar, trabalhar e estudar em Ouro Preto me fez entender que tradição e inovação podem sim andar juntas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *